sábado, 20 de fevereiro de 2016

[Resenha] Sombras do Medo, Camila Pelegrini


Oi, pessoal! Nos últimos meses, me voluntariei para alguns book tours (como o bannerzinho na barra lateral demonstra) e o primeiro livro a chegar foi um exemplar da primeira edição do livro Sombras do Medo, da querida autora parceira Camila Pelegrini. Além de ser uma resenha especial por eu já gostar e acompanhar a autora antes mesmo de ler o livro, será a inauguração do novo formato de avaliação, mais criterioso que o aquele que vinha usando até agora. Vamos à resenha, então?




Título: Sombras do Medo 
Autora: Camila Pelegrini
Editora: Garcia Edizioni
Edição: 1ª
Ano: 2014
ISBN-13: 9788565490764
Gênero: Distopia, YA, Fantasia
Não faz parte de uma série
Esta edição não está mais à venda, mas a nova edição está pode ser adquirida na loja da editora Arwen





Em um futuro pós destruição em massa, provocada pelas guerras humanas e desastres naturais - para os quais os humanos também contribuíram grandemente - o mundo é dividido em 5 grandes regiões. Em cada uma delas vivem ordinários e singulares, pessoas com ambições completamente diferentes. Estes dominam o mundo. Aqueles tentam tão somente sobreviver.E ao viverem dessa forma, a bondade beira à extinção. O caos reina em seu lugar, despertando forças malignas que há muito esperam para serem alimentadas.A maior guerra de todos os tempos finalmente começa e a humanidade já se encontra em desvantagem.E em meio a tanto ódio e destruição, será o amor capaz de afastar as Sombras do Medo?

    Em Sombras do Medo, o mundo como o conhecemos não existe mais. No lugar dele restou uma Terra árida, praticamente sem recursos naturais e dividida entre ordinários e singulares. O primeiro grupo, mais numeroso, é constituído pelos mais pobres, que levam uma vida miserável de trabalho duro e constante, tanto para subsistência quanto para usar como moeda de troca com o segundo grupo, que detém o controle dos recursos naturais. Pelo seu trabalho, os ordinários recebem (pouca) água, (pouca) comida e (pouquíssimas) roupas. Como símbolo de poder, os singulares mandaram construir muralhas em torno de suas cidades, de modo a proteger seus recursos e lembrar os ordinários que seus mundos são totalmente diferentes. Durante a construção dessas muralhas, muitos operários morreram - ordinários, obviamente -, e um desses foi o pai da nossa protagonista.
     Anabele Godhet é uma ordinária que leva uma vida comum: trabalha todos os dias, come e bebe o mínimo para sua sobrevivência, divide uma casinha simples com sua mãe Amanda e se diverte com seu amigo de infância Vincent. Ao mesmo tempo que é de uma bondade marcante, a jovem de quase 20 anos não aceita essa divisão injusta de recursos, onde a maioria vive com quase nada e a minoria detém o controle de tudo que restou. Como se isso não bastasse, ela tem que conviver com terríveis pesadelos (assim como todos a seu redor) e uma novidade assustadora: ordinários começaram a sumir no meio da noite. Quem - ou o que - estaria por trás desses sumiços? Isso Ane logo descobrirá, com ajuda do forasteiro (bonitão), Henry, que parece estar tão interessado por ela quanto ela está por ele.  
     Para evitar spoilers, não vou dizer quem está levando os ordinários (embora a nova capa, da editora Arwen, dê uma pista), mas devo comentar que achei bem criativa a ideia da Camila. A história toda, na verdade, é bastante criativa e bem escrita. Além de uma narrativa fluída e que me prendeu do início ao fim, a autora soube dosar bem as cenas de ação e o romance, que, embora tenha um triângulo amoroso, não tem mocinha indecisa! Uhul! 
      O narrador em terceira pessoa nos permite ver as coisas pelos olhos dos ordinários com Ane e dos singulares, com o Presidente deste grupo - e ambos pontos de vista nos fazem odiar os singulares. A propósito, a mensagem do livro é simples, mas muito bonita e pertinente: o que estamos fazendo com o nosso planeta? O que estamos fazendo uns com os outros? Onde vamos chegar se continuarmos por esse caminho de ganância e egocentrismo? Posso dizer que fiquei refletindo sobre o assunto um bom tempo depois de terminar Sombras do Medo. (O final traz um belo complemento à essa mensagem.)
     Sobre os personagens, Amanda e Jhou são meus favoritos; Amanda por ser uma mulher forte, bondosa e uma mãe maravilhosa, e Jhou por ser a criatura mais linda e fiel possível. Chorei litros por causa desses dois. Ane e Henry são ótimos personagens também, bem construídos, verossímeis e fáceis de gostar - torci por Ane do começo ao fim e, embora eu tenha descoberto o segredo de Henry logo no começo, simpatizei com ele mesmo assim. E chorei com os dois também (acho que estou ficando muito mole!). Vincent, apesar de ser um bom personagem e eu ter gostado dele no começo, acabei com raiva dele no decorrer da história. 
     Os pontos negativos são poucos: a revisão deixou um pouco a desejar (o que eu acredito que tenha sido remediado na nova edição) e o livro deveria ser maior, o que permitiria que alguns eventos e situações fossem melhor abordados.
        Ah, sim! A capa! Apesar de LINDA, eu sinceramente não consegui encontrar a ligação entre a capa da primeira edição e a história - nem restaram árvores no mundo (não nas terras ocupadas pelos ordinários, pelo menos) e Ane tem cabelos curtos, como todas ordinárias. Esse, aliás, foi um toque de realidade que eu gostei muito: imagine viver num mundo onde o clima é seco e quente, e tu tens que trabalhar sob o sol por horas à fio. Quem teria vontade de manter cabelos longos? Levando em consideração a escassez de água, quem gastaria esse precioso recurso para lavar os cabelos?? Enfim, finalizando o assunto das capas, fiquei muito, muito feliz com a da nova edição, que faz muito mais sentido (e continua linda).
Essa é a capa linda da nova edição do livro pela Arwen
     Só posso concluir minha análise dando os parabéns à escritora! Recomendo esse ótimo livro a todos que curtem uma distopia com ares de fantasia, um romance agradável (sem firulas e na dose certa!) e uma leitura rápida! 

Vamos à avaliação final?*
Escrita: 4
Enredo: 3,5
Personagens: 3,5
Worldbuilding: 3,5
Diagramação: 4
Revisão: 3,5
Capa: 2,5 (apesar de linda, não serve à história) 

Nota final da Cami3,5 (mas sei que vai subir para 4 com a edição da Arwen

*Se quiser entender melhor como funciona o sistema de avaliação, clique aqui.

3 comentários:

  1. Oi, Mila!
    Putz. Eu fiquei apaixonada pelo livro justamente pela capa. E agora? Mas acho que vou tentar mesmo assim. Esse enredo me lembrou um pouquinho A Tapeçaria, que é uma mistura de Harry Potter com mitologia celta e também aborda o sequestro de pessoas especiais - no caso, as crianças potenciais. Espero poder resenhar em breve.
    Quanto a Sombras, vou aguardar pela edição da Arwen. Tô na torcida para gostar.

    Até mais, Celly do Me Livrando

    ResponderExcluir
  2. Oi, Camila! Não conhecia o livro nem a autora. Gosto de distopias e a história que ela criou parece bem interessante. Apesar da capa não ter a ver com o conteúdo, achei linda também!

    Estou te seguindo! ;)

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
  3. JÁ ESTE LIVRO E RECOMENDO,NÃO IRÃO SE ARREPENDER.

    ResponderExcluir