segunda-feira, 25 de maio de 2015

Literatura em Movimento 01 - Maio

Oi, pessoal! Venho hoje com a primeira postagem do Leitura em Movimento, o projeto de blogagem coletiva sobre o qual postei esse mês. 

O primeiro tema é bem interessante, mas me deixou confusa e indecisa:

 "Todo leitor tem aquele livro que mais gosta por diversos motivos: ou porque o texto possui uma linguagem bonita, ou porque os personagens são instigantes, ou porque a história de amor é a dos sonhos, ou porque a capa do livro é belíssima... Afinal, todos já pensamos "Por que eu não tive essa ideia antes?"

Se fosse você o autor de um livro, que livro seria esse? E por que gostaria de ser o autor(a) dele?"

Todos que me conhecem sabem (ou deveriam saber) que Tolkien é meu escritor favorito, logo a primeira coisa que me veio à cabeça foi “queria ter criado a Arda e todas as histórias de Valinor, Númenor e Terra-média”. Eu acredito que o valor de Tolkien e suas obras seja incontestável para o mundo da fantasia atual; sem ele, dificilmente teríamos todos os grandes nomes da literatura fantástica que surgiram nas últimas décadas. Além de ter servido de inspiração para centenas de escritores (eu inclusa, mesmo que ainda seja só aspirante), a obra de Tolkien é tão completa, complexa e coesa, que é impossível não pensar “cara, eu queria ter inventado isso!”. 



Mas aí lembrei da J. K. Rowling, que fez algo tão impressionante quanto Tolkien: ela criou um mundo mágico e totalmente coerente a partir do nosso mundo “real”. Ela usou o nosso mundo pra criar um novo universo, onde a magia e seres mitológicos existem, mas também existe o preconceito, a amizade, o amor, a inveja... Enfim, o mundo mágico de Rowling pode conter varinhas e feitiços, mas os personagens são reais, dignos de falhas e atos heroicos. E essa é a principal razão pela qual gostaria de ter escrito a série Harry Potter: os personagens têm defeitos e qualidades, o que os torna mais reais, mais “humanos”, lembrando-nos que a luta entre o bem e o mal existe também dentro de cada um de nós. 



Também queria ter escrito as séries de Rick RiordanPercy Jackson e os Olimpianos, Heróis do Olimpo e As Crônicas dos Kane –, porque sempre amei mitologia, então gostaria de ter tido a ideia de trazer os deuses gregos, romanos e egípcios para os dias atuais, revisitando mitos antigos e criando novos. Além de tornar a mitologia algo interessante para as novas gerações, Riordan também é ótimo em criar personagens divertidos e carismáticos – adjetivos que podem ser aplicados a seu estilo de escrita. 




Laurell K. Hamilton foi outra que escreveu séries que eu queria ter escrito. Anita Blake: Vampire Hunter e Merry Gentry misturam elementos de lendas e seres sobrenaturais em um cenário urbano atual e têm mulheres fortes como protagonistas. Ambas as obras são “proibidas para menores” por conter tanto cenas fortes de violência quanto de sexo – e acho que a Laurell é capaz de fazer isso com naturalidade, de forma que seja apenas mais um elemento da história e não o centro de tudo (como acontece em centenas de livros de urban literature).



Há mais obras e autores que têm seu lugar cativo em meu coração, mas acho que esses quatro escritores reúnem as características que mais aprecio no geral e suas obras são algumas das minhas favoritas de todos os tempos. Juro que tentei escolher apenas um livro, mas não deu. Sorry! 

E tu, caro leitor? Que livro gostaria de ter escrito? Comente e volte sempre o/

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Selo Métrica - Lançamentos de Maio

Oi, gente!! Venho trazer as novidades do mês de maio do Selo Métrica da Editora Tribo das Letras - um pouquinho atrasada, eu sei, mas ainda estamos em maio, certo? Então, vamos aos lançamentos!!

O Retorno de Elizabeth Torny 1- Tatyane Nicklas
Pré-venda a partir de 18/05


Sinopse: 

Os moradores da pequena cidade de Palmertorny, escondem um terrível segredo por vinte anos, mas com a chegada de uma bela jovem paranormal esse segredo está ameaçado e a punição pelo mal que causaram no passado está por vir.Envolvente e excitante O Retorno de Elizabeth Torny, trás uma história cheia de suspense e drama, mas com boas pitadas de humor e sem faltar um bom e atribulado romance.Com uma linguagem jovem e dinâmica prende o leitor à história trazendo-lhe sensações novas a cada capítulo. Diferentes culturas, opiniões conflitantes, crenças diversas tudo isso acaba levando as pessoas para o inevitável “pré-conceito” daquilo que não con hecem. Um livro capaz de nos transportar para o sobrenatural aborda o tema polêmico da paranormalidade e nos faz refletir: Em que realmente acreditamos?Acordar de uma noite de pesadelo, pode significar vivê-los, Elizabeth Torny, não nasceu assim, a tornaram assim.Dizem que o amor liberta-nos da dor, de toda mágoa e todo rancor, dizem...Elizabeth Torny, a chave entre a vida e a morte, o sonho e a realidade. Não procure saber da verdade.





Verdade ou Consequência - Matheus Frizon
Pré-venda a partir de 18/05


Sinopse:

Deixada aos cuidados da madrinha desde os sete anos, Alice Barrelin é uma estudante de Biomedicina cujo sonho é tornar-se uma atriz. Apesar da idade avançada, 19 anos, Alice nunca foi beijada. Na sua imaginação, seu beijo não seria suficientemente bom e também não passa pela cabeça dessa jovem acabar enfeitiçada pelos encantos de um cara qualquer. Entretanto, o mundo de Alice vira de cabeça para baixo quando ela conhece o irritante Alec Salles. Existe algo nesse rapaz que a incomoda: o jeito como ele mexe com ela e a deixa soltando suspiros. No entanto, fica claro que ela está perdidamente apaixonada por esse cara que a faz viver intensamente quando ambos são desafiados a um jogo de Verdade ou Consequência. Nesse ponto, não há mais como voltar atrás. O que Alice não sabia era que aquele rapaz escondia um grande segredo: Alec é um garoto de programa. Será que essa paixão estará ameaçada por essa descoberta? Alice encontrará forças para aceitá-lo? Tudo o que sabemos sobre esse casal é que são como fogo e gasolina, mas o desfecho dessa história de amor só o destino poderá dizer.


(e-book) Um anjo para chamar de meu - Patricia da Fonseca




Sinopse: 

A vida na pequena cidade de Santo Anjo se resume a uma única coisa: o anjo Miguel. Centenas de devotos invadem a cidadezinha anualmente em homenagem a um rapaz morto há mais de 50 anos e que, conforme a crença de muita gente, opera milagres. Quando a adolescente Gabriela chega a Santo Anjo para passar alguns dias com sua avó, nem imagina o quanto sua vida irá mudar depois disso. Encantada pela beleza da estátua do anjo Miguel, Gabi entra em pânico quando um incidente terrível envolvendo-a acontece. Quem pode salvar Gabriela da fúria de uma cidade inteira?


(e-book) Lizie - Maria José Tagarro 




Sinopse:

Elisabeth Batista, a Lizie, é uma garota de 16 anos que estuda no Colégio Excelsior e se considerada praticamente invisível naquele ambiente. Tem três amigas: Camila, Andréia e Sheila e não é muito sociável. Quando suas notas estão baixas em Química e ela precisa ter aulas extras para melhorar a média, conhece novas pessoas, como Beto, um garoto que ama teatro e literatura e se vê mais próxima de Gustavo, um dos garotos mais populares e bonitos do colégio.






Por enquanto é só, pessoal! Logo estarei de volta, com mais novidades! Não esqueça de comentar qual dos lançamentos da Métrica te chamou a atenção, e volte sempre! ;)

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Literatura em Movimento

Oi, pessoal!!

Vocês já ouviram falar de Blogagem Coletiva ou Postagem Coletiva?  

O QUE É?
A Blogagem Coletiva é uma postagem feita por um grupo de blogueiros, através do ponto de vista de cada um, sobre um determinado assunto.

COMO FUNCIONA?
Bom, um (ou mais) blog assume a função de organizador(es) do projeto, criando mensalmente (ou no período que achar mais interessante: quinzenalmente, semanalmente, enfim...), o tema do post. Os participantes deverão publicar sobre o tópico determinado no dia (ou semana) marcado.

E FALA SOBRE O QUE?
Os temas podem ser vários. Existem blogs que escolhem assuntos bastante politizados como Consumo Consciente, Câncer de Mama, Meio Ambiente, Direitos Humanos, etc. Alguns blogs de fotografia fazem postagens coletivas de imagens. Blogs Literários fazem postagens coletivas de textos de própria autoria, sobre escritores, por exemplo. A ideia é que circule diversas temáticas e que o blogueiro possa mostrar a sua experiência e seu interesse no assunto.

Legal, né?

Literatura em Movimento é um projeto que tem por base a Blogagem Coletiva. Ele foi idealizado pelas blogueiras Ana Karina (Da Literatura), Denise Valente (Sacudindo as Palavras) e Helena Dias (Café com Livro). O nosso maior objetivo é espalhar a literatura pela web (e fora dela também, quem sabe?!), assim como incentivar ainda mais a leitura.

Cada mês terá um tema diferente, voltado para a literatura, e cada blogueiro postará um texto sobre esse tema, como uma forma de conversar com os leitores e potenciais leitores também. Ou seja, serão vários blogs publicando sobre a mesma temática, porém cada um com a sua interpretação.

PRIMEIRO TEMA
Todo leitor tem aquele livro que mais gosta por diversos motivos: ou porque o texto possui uma linguagem bonita, ou porque os personagens são instigantes, ou porque a história de amor é a dos sonhos, ou porque a capa do livro é belíssima... Afinal, todos já pensamos "Por que eu não tive essa ideia antes?" 

Se fosse você o autor de um livro, que livro seria esse? E por que gostaria de ser o autor(a) dele?

Data de Publicação dos textos
Os textos sobre o tema em questão serão postados entre os dias 16 e 25 de maio.

Participantes
Além dos blogs organizadores, os outros participantes são:


É isso aí, gente!!! Espero que tenham gostado do projeto!!
Não percam os textos incríveis que serão postados em breve!! ;)

Bjs da Cami

domingo, 10 de maio de 2015

[Rresenha] Brasil Fantástico - Primeira Maratona Literária

Sábado passado, dia 02/05, participei da primeira Maratona Literária do blog Me Livrando – a ideia era simples: ler o máximo possível durante aquelas 24 horas. Eu juro que meu objetivo era não dormir e não fazer nada além de ler, mas tive algumas responsabilidades da vida adulta a cumprir (comprar comida, arrumar a casa...) e dormi um pouquinho também. Mesmo assim, consegui me divertir bastante com a interação com os outros leitores, além de ler um livro do início ao fim, e é sobre ele que vou falar nesse post.

Encontrei Brasil Fantástico – Lendas de um país sobrenatural entre os livros “gratuitos” do Kindle Unlimited (estou no mês grátis desse recurso da Amazon) e a sinopse me chamou a atenção: contos sobre folclore brasileiro! Ando interessada pelo assunto desde que, há uma ou duas semanas, comentamos no CAF (Clube de Autores de Fantasia) sobre escrever contos com essa temática; então, quando li a tal sinopse, baixei o livro na hora.

Pois bem, o livro tem um prefácio bem legal do André Vianco – autor nacional conhecido por suas obras vampirescas, como Os Sete e O Vampiro-Rei – e conta com onze contos que visitam o imaginário popular do nosso país do Boitatá ao Saci, do Curupira à Iara. Os contos são vendidos juntos (na forma coletânea, como eu li) ou separadamente; se tu clicares na capa de cada conto, tu vais direto pra página dele no site da editora Draco, onde tu podes encontrar os links para comprá-los!
Gostei bastante de todos os onze contos, mas o meu favorito mesmo foi o primeiro, escrito por Christopher Kastensmidt (que é meu amigo no Facebook e, mais importante, um dos organizadores da Odisseia de Literatura Fantástica aqui em Porto Alegre). A ideia central de A Copa dos Mitos é simples, mas genial: como seria um embate entre os principais mitos do mundo? Será que nossos seres mitológicos são páreo para os gregos, nórdicos ou egípcios? O resultado desse embate é um conto leve, divertido e muito bem escrito. Dei nota 4 / 5.
O segundo conto, O Filho da Mata, de Andréia Kennen, fala sobre o encontro de um rapaz tido como afeminado com um curupira forte e sedutor. A história é bem escrita e dei 3/5, porque ela demorou um pouquinho pra me arrebatar, o que também aconteceu com Entre conspirações e monstros mitológicos, de João Rogaciano, o terceiro conto.
Este se passa em Portugal na época em que Sissi, a Imperatriz da Áustria, passou um tempo na Ilha da Madeira convalescendo de uma doença. O narrador é um investigador que é contratado para descobrir quem (ou o que) anda trocando objetos de lugar (e por vezes sumindo com eles) em uma grande vinícola – e dizem que o culpado é o Cavalum português e/ou o Boitatá trazido do Brasil. Mas isso é só a ponta do iceberg, e eu não citei Sissi só porque os filmes sobre a vida dela estão entre os favoritos da minha adolescência. O conto quase levou 2,5 por demorar pra chegar na parte mais emocionante, mas o final elevou a nota a 3,5.
O conto de A. Z. Cordenonsi, A Mula do Cavaleiro Neerlandês, já me conquistou por se passar no Rio Grande do Sul e misturar uma história clássica da ficção dos Estados Unidos com um mito brasileiríssimo. Não vou dar mais detalhes pra não estragar a história, mas assim que vi o nome do personagem americano, já fiquei empolgada e meio que imaginei o que aconteceria no final – e meio que acertei, mas a ideia foi ótima. 3,5 de 5 e um parabéns pelo protagonista, que é muito legal de acompanhar.
Amaldiçoado, do Allan Cutrim, conta a história do caçula de 8 filhos e único menino. Como se ter um nome cujo apelido é “Maledi” e um pai violento já não fosse ruim o suficiente, ele ainda se envolve com os mitos do nosso folclore... Apesar de um pouco previsível, gostei bastante do conto, que recebeu 4/5 pela idéia, inserção da mitologia indígena e pela boa escrita.
A sexta história, de Mickael Meneghetti, tem o título de Brasil: Terra Amaldiçoada e narra as aventuras nada agradáveis de uma expedição espanhola anterior a Cabral, que se aventurou pelo Rio Amazonas e se deparou com os terríveis protetores das margens do Rio. Dei 3/5 pra este também.
A Sacola da Escolha, de Maria Helena Bandeira, levou 4/5 só porque o final me deixou um pouco confusa, mas o desenvolvimento é ótimo! Um jovem caboclo é levado em uma jornada transformadora pelo mundo dos Encantados – seres clássicos do folclore brasileiro e da mitologia indígena. Apesar de contar com diversos elementos – de iaras a Saci –, a história é muito coesa e é, sem dúvidas, uma das minhas favoritas.
As histórias continuam com A Voz de Nhanderuvuçú, de Marcelo Jacinto Ribeiro, que se passa num cenário dieselpunk pós Segunda Guerra Mundial e dá uma nova roupagem ao seres fantásticos do nosso folclore. Um grupo inglês descobre uma jazida de minérios no meio da floresta e nem com todo seu poder e tecnologia é páreo para o que os espera. A ideia foi ótima e bem criativa, mas achei a narrativa um pouco lenta, e por isso dei 3/5.
A Bruxa e o Boitatá, de Vivian Cristina Ferreira, conta a história de uma menina nascida em Florianópolis, a Ilha da Magia, mas que se mudou com seus pais e 6 irmãs mais velhas logo quando era criança. Apesar de ninguém na família explicar o porquê da mudança e nem mesmo tocarem no assunto, ela precisa ir a sua cidade natal a trabalho e é confrontada pela verdade – em forma de bruxas e seus boitatás. O conto é bem legal e bem escrito, e também levou 3,5/5
O penúltimo conto, O Rapaz Misterioso, escrito por Renan Duartel, explica como as crendices se tornam fatos e dá sua versão bem violenta e sombria do nosso Boto. Nota de 4/5, mas não leia se não gostar de um pouco de sangue!
Finalmente, O Padre, o Doutor e os diabos que os carregaram, de Antonio Luiz M. C. Costa levou 4,5/5, por ser muito bem escrito e criativo. O último conto fala de um médico e um padre que vão conhecer os caaporas nos idos de 1592, mas nada sai como o esperado – e nada é o que parece. A melhor parte da história, pra mim, foram os debates religiosos entre o médico e o padre, e isso contribuiu bastante para a boa nota.


Em resumo, essa antologia foi um adorável achado e é uma ótima pedida para todos que, como eu, se interessam por histórias fantásticas e que querem conhecer um pouco mais sobre a nossa própria cultura.